Facebook 1629302129886 6833788440591555570

“Companhia de Artífices”

“Companhia de Artífices”, designação aplicada ao conjunto dos estudantes e mestres que, trabalhando no “Laboratorio Chimico”, sob a direcção do lente de Química Tomé Rodrigues Sobral, se ocuparam, exclusivamente, da produção de munições. Para a constituição deste pequeno arsenal de guerra muito contribuíram outras figuras de destaque no meio académico, especialmente, Manuel José Barjona, lente substituto da Faculdade de Filosofia, José Freitas Guimarães, Joaquim Franco da Silva e Joaquim Batista, todos eles formados em Filosofia.

No “Laboratorio Chimico”, os almofarizes de pedra foram adaptados à produção de pólvora. Diariamente, afluíam ao laboratório carregamentos de carvão para a fundição de balas e produção de artifícios de guerra.

Segundo informa o Suplemento da Minerva Lusitana, de 3 de Dezembro de 1808, em pouco mais de três meses, entre 27 de Junho e 30 de Setembro, saíram do laboratório perto de uma tonelada de cartuchame e cerca de100 arrobas de pólvora. Em média, eram produzidos e encaixotados diariamente, 6000 a 7000 cartuxos. Sob a direcção de Bonifácio de Andrada e Silva, lente de Metalurgia e Intendente Geral de Minas e Metais do Reino, as ferrarias de Tomar e da Foz do Alge cooperaram, também, na fundição de ferro e na reparação de armas e utensílios.

 

– Araújo, Ana Cristina, Imprensa da Universidade de Coimbra URL:http://hdl.handle.net/10316.2/41508

– Ovídio Saraiva de Carvalho e Silva, O Patriotismo Académico…, cit., p. 77

Facebook 1629302044150 6833788080993358679