TERMAS DE ALMEIDA – FONTE SANTA

Uma forma de celebrar a reabertura das Termas é presentear os nossos aquistas

 

O Município de Almeida irá atribui a todos os aquistas inscritos na nova época termal 2021, um Voucher Museu que permite a entrada gratuita no Museu Histórico Militar de Almeida e no Pólo Museológico, Vilar Formoso Fronteira da Paz- Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes. Estes vouchers poderão ser usufruídos pelo aquista e seu agregado familiar ao longo do ano.

Voucher

Cada aquista terá, ainda, um Cartão de Fidelização em que será oferecida a 10ª experiência de termalismo ou spa de acordo com o tratamento termal ou programa de bem-estar que mais tem usufruído.

Cartaotermas

Marque os seus tratamentos de termalismo terapêutico e programas de Spa e Bem-Estar!

Queremos cuidar da sua saúde! Contactos: Tel: +351 271 571 123 / 080 Email: termas@cm-almeida.pt

Mensagem Mágica – Parte 2

A história que o MHMA conta vai muito para além dos objetos que apresenta, e procura ir mais além do seu discurso museológico.

Por essa razão estamos sempre atentos e diligentes na comunicação da História do Sítio tendo como base a história contada nas entrelinhas da coleção:

 

Assim, através dos SE do MHMA vamos divulgar algumas interessantes passagens de “espionagem” e proporcionar ao público infantojuvenil uma curiosa experiência a que chamamos Mensagem Mágica

 

Queres vestir o papel de espião e escrever uma mensagem secreta aos teus amigos? O Museu Histórico Militar de Almeida ajuda-te! Diverte-te e boas aprendizagens!

 

Objetivo Experiência: Escrever uma mensagem que aparece magicamente.

 

Não vais levantar uma planta, não vais aguarelar um mapa, vais camuflar uma mensagem que só os teus amigos vão poder ler.

 

 

Entretanto algumas curiosidades

Sabias que:

 

Por forma a poder comunicar com alguma segurança foram utilizadas desde a antiguidade diversas formas de enviar e camuflar mensagens?

 

Há um manancial infindável e muito rico de atos de espionagem usada por informadores, traduzidas em relatos de viagens, iconografia de planos, mapas e plantas, que informam o poder político das manobras dos opositores:

Para o período da Restauração coincidente com a 3 sala do MHMA, contamos uma interessante façanha de Brás Garcia de Mascarenhas (por quem temos especial apreço) aquando da sua estada na Beira, que, para além de demonstrar apetência para arquitetura militar, dominava outras artes de grande importância na guerra, no caso: a espionagem(…) Os castelhanos dispunham na área da fronteira de três castelos – Albergaria, El Playa, e Eljas –, fonte de grandes preocupações de D. Álvaro Abranches e dos quais nada ou pouco se conhecia. Brás Garcia encarregou-se dessa empresa

Como foi possível tal façanha? Brás Garcia disfarçou-se de mendigo e de pedinte andrajososo, ulcerado e com deformação comovente, transfigurando-se num “mendigo viandante”, esmolando “una limosna, por amor de dios”, lamuriando e chorando “padre nuestros”, muito arrastados. Assim se encostava às muralhas, penetrava nas paradas dos castelos, vendo, analisando, tomando secretas notas. Artes dum verdadeiro e profissional espião e ao que sabemos em pouco tempo se apresentou perante D. Álvaro entregando-lhe “as plantas dos três castelos, acompanhadas de informações preciosas sobre o modo de neles entrar, quando fosse ocasião oportuna (2).

 

Contamos mais uma curiosidade, sobre atos de espionagem, desta feita do período da Guerra dos 7 anos, coincidente com a 4 sala do MHMA

 

A Guerra dos 7 anos é um dos principais conflitos militares ocorridos no século XVIII, e sobre o qual há um vasto conjunto de iconografia de Almeida e de relatos de espionagem também!

Sabemos que a posição de Portugal neste conflito resulta do facto de Inglaterra necessitar de uma base de operações contra, França e Espanha e por isso é natural que houvesse, nesta altura, uma atividade de espionagem muito particular devido ao afrontamento com o exército Francês/Espanhol.

A nossa atenção centra-se num mapa Espanhol de 1762 Plano Topográfico de los contornos de Almeida, construído sobre relaciones de prisioneiros práticos, que demonstra bem o conhecimento que havia sobre a fronteira do lado inimigo (no caso Portugal).  Observando o mapa, vemos não só os lugares e sua distância entre eles, e os caminhos que os unem, bem como um conjunto de informação muito curiosa, por exemplo sobre o número de homens úteis das diversas povoações, na data de 1762, e que podiam ser arregimentados para manobras militares de interesse relevante, Almeida teria 300 homens úteis e já teria os seus 6 baluartes concluídos.

Demonstrativo ainda de que “Os serviços de inteligência franceses andavam sobre o terreno a recolher informações sobre os lugares da fronteira, é o relato sobre Almede (…) de cujo autor não se sabe muito e que caracteriza minuciosamente o caminho entre Ciudad Rodrigo – Almeida. O relato diz-nos, entre muitas outras coisas, sobre a Praça de Almeida “Segundo os Portugueses é a Praça mais temível da Europa, e esta implantada a Occidente do Reino de Leão, a Norte (A) do Rio Douro e a seis léguas ( B) grandes de Ciudad Rodrigo, a Oriente da Ribeira de Touroes (…)”

 

(Extraído do artigo de João Campos, CEAMA 22, pg.131https://www.cm-almeida.pt/flipbook/ceama-no22-2020/. “relato sobre Almeida no arquivo de Vincennes – Leitura de um documento preambular da Guerra da Sucessão de Espanha”

 

Rubrica de Patrimoniomanias

Assinalamos na rubrica de Patrimoniomanias de janeiro as Guaritas da Praça Forte de Almeida, sua importância e função desde o século XVII até aos nossos dias.

Em primeiro lugar gostaríamos de salientar, que a quantidade de guaritas existentes em Almeida é hoje substancialmente menor do que originalmente, destaque-se que depois das derrocadas provocadas pelos cercos e posterior reconfiguração com recuo das linhas de canhoneiras, em cortinas, flancos e faces bombardeados um número significativo de guaritas desapareceu. No entanto as que subsistiram continuam a ser, no nosso entender um marco de artificio estético, graciosidade e movimento que merce especial destaque, pese embora, sejam também elementos de grande importância no balizamento estético da obra e para a compreensão do complexo de edificação.

Quantas são:

Na praça Forte de Almeida contamos presentemente de 18 guaritas, todas com o mesmo desenho cilíndrico e com tecto semi-esférico1. “São datadas do século XVII, designadamente nas frentes das Portas Magistrais de S. Francisco e de Santo António (de que apenas subsistem as que encimam a composição de cada pórtico) e nos baluartes de S. Pedro, de S. João de Deus e de Santa Bárbara, assim como dos séculos XVIII e XIX (neste caso, as duas referentes ao revelim de S. Francisco, no eixo da Porta Exterior e no vértice Sul).

Também naquela dúzia e meia se conta um exemplar executado no século XX pela Direcção-geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, a meio da cortina da Horta do Governador, no lugar presumível de uma latrina projectada da muralha (em situação semelhante no ponto oposto da cortina do revelim do Paiol, de que restam elementos originais).”

Em menor número, assinalam-se alguns exemplares a meio de cortinas de muralhas (conjugando o princípio da ronda entre sentinelas que comunicavam por voz) e, no caso de Almeida, a singular disposição de uma guarita na composição

vertical do eixo de cada uma das faces externas das Portas Duplas. A adopção deste elemento no coroamento de cada frontão da Porta confirma a importância formal atribuída à guarita.

Assinala-se ainda que na Praça-forte de Almeida conserva-se um outro tipo de guarita, diferente do regular que assumem forma quadrangular com teto piramidal, na face interna da Porta Exterior de Santo António, naquele que é o atual CEAMA.

Existem registos de terem existido mais elementos deste tipo, não localizados no perímetro das muralhas (paiol do castelo, quartel de artilharia, e quartel de cavalaria), atualmente com vestígios na porta do baluarte do Trem ou Arsenal (Nossa Senhora das Brotas).

O que são Guaritas:

Guaritas são elementos de vigia que assinalam pontos sensíveis do traçado das fortificações (por norma em ângulos salientes do perímetro das muralhas), evidenciando-se em altura da horizontalidade dos componentes da arquitetura abaluartada e constituem-se elementos distintivos da estética do edificado.

As guaritas foram explicitamente tratadas nos Tratados de Arquitetura Militar, como bem o atesta o tratadista Luís Serrão Pimentel no “Método Lusitânico”2e quanto à localização diz o seguinte: “O sítio em que se acomodam é no ângulo flanqueado, nos dois espaldares e no meio da cortina, porque destes lugares fica a vista mais livre e desembaraçada, assim para descobrir os lugares distantes como também o fosso e o pé da muralha, e ficam aqui acomodadas, assim para perceberem os sinais que de fora lhe forem feitos, como para os dar.

Curiosidades:

Formas e configurações:

“A forma das guaritas é redonda, quadrada, pentagónica e hexagónica, segundo o gosto dos que as fabricam, cobertas por cima com suas meias-laranjas, ou

tectos que seguem os lados com seus remates em cima e galanterias que cada um capricha, variando nesta ou naquela forma.

Quando as fortificações são revestidas de muralhas de pedra e cal, costuma-se fazer as guaritas na mesma matéria (…). Porém isto é durável enquanto não há inimigo que ataque algum, ou alguns baluartes, pois com artilharia (se quiser) dará logo com as guaritas fora, perdendo-se o custo da sua fábrica e, muitas vezes, fazendo os pedaços dano na gente. Por esta razão outros as fazem de tijolo, para que o custo e perda sejam menores, pois tanto servem para o intento umas como outras.”

Sobre os vãos:

“Abrem-se nas guaritas três frestas, uma que olha direito para a campanha e duas para as ilhargas, para por ali se vigiar. Da parte interior se lhes faz a porta, para cuja serventia se abre (ou deixa na grossura do parapeito) um caminho de 2,5 ou 3 pés de largo.(…) “fazem-se, segundo Dilichio3, de 8 pés de altura interior e o diâmetro de sua largura de 5 ou 6. (…) sem falar na altura que sempre se deve entender ter que ser a que caiba um homem bem folgadamente e o que mais sobe ao tecto. Dilichio acrescenta-lhe um sino, para que os soldados em vigilância façam, de vez em quando, sinal de que estão despertos.

 

XXVI Comunicado COVID-19 – 21 de dezembro de 2020

Patrimoniomanias II – Caminho de Ronda

Iniciamos a nossa rubrica Patrimoniomanias com o caminho coberto (circuito militar delimitado por um muro com banqueta para tiro de mosquete) da Fortaleza de Almeida, por se constituir um atributo singular cuja autenticidade ainda é um elemento digno de nota, agora, chamamos à atenção para outro atributo singular do perfil da fortaleza de Almeida: o caminho de ronda que corre a cortina dos baluartes, abrindo-se em frente à linha das canhoneiras, conservando ainda parte da sua extensão, datando da primeira fase da edificação da fortificação (meados do século XVII).

Onde se localiza?

Podemos percorrer o caminho de ronda e respetivas guaritas nos Baluartes desde o Baluarte de: Francisco passando pelo de São João de Deus, até ao Baluarte de Nossa Sra. das Brotas ou do Arsenal, chegando ao limite da Porta Interior de Santo António.

Pese embora descontinuado em vários pontos da muralha face aos assédios sofridos podemos ainda andarilhar pelos 165 m da cortina de Santo António (onde se insere a Magistral), ou pelos 4 lados do Baluarte de S. João de Deus perfazendo um somatório de 260m, ou pelos 265m da cortina virada ao revelim dos amores até cerca de metade do Baluarte de S. Francisco.

Mais sobre o caminho de ronda:

Esta solução, essencialmente atributo da arquitetura militar medieval e menos comum na fortificação abaluartada, o que faz deste especificamente uma peça de interesse superlativo “permitia que os defensores descobrissem, de cima, grande parte do fosso, defendendo com eficácia a muralha de assaltos surpresa com escadas (se se colocassem por detrás do parapeito dos canhões, só veriam o glacis), embora tivesse o inconveniente de o parapeito desse caminho ser facilmente destruído pela artilharia, quando o inimigo iniciava um assalto (razão pela qual foi terraplenado no cerco da Guerra dos Sete Anos).”

Chamamos particular atenção para o facto da inexistência do caminho de ronda nos restantes quatro baluartes que têm (total ou parcialmente) os paramentos das escarpas em terra, com obra de consolidação no fosso, situação que se deve aos assédios de 1762, 1810 optando-se por firmar os taludes, estabilizando os paramentos de pedra, tal como chegou aos nossos dias.

António Gaver faz uma descrição bastante detalhada da Praça de Almeida: Plano “de la Plaza de Almeida” levantado em Maio de 1763 (…)“murallas revestidas de arreglada y buena sillería con 3 toesas y 5 pies de alto desde el cordón (sobre el que corre un camino de rondas, que terraplenaron los enemigos en el recelo del sítio para dar más grueso al parapeto(…)”.

Alunos do 9º Ano do PCA (Percurso Curricular Alternativo) visitaram Pólo Museológico, Vilar Formoso Fronteira da Paz – Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes

No âmbito da disciplina Bens e Serviços Locais, os alunos do 9º Ano do PCA (Percurso Curricular Alternativo), do Agrupamento de Escolas de Almeida, visitaram na passada quarta-feira, dia 21 de Outubro, o Pólo Museológico, Vilar Formoso Fronteira da Paz – Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes.

No período da tarde, os 11 alunos e 3 professores assistiram à visualização de vídeos e às explicações dadas pelas técnicas do Pólo, sobre os refugiados da II Guerra Mundial, sua passagem por Vilar Formoso e o importante contributo do Cônsul Aristides de Sousa Mendes, na cedência de vistos para uma viagem rumo a liberdade.

No fim da visita, os alunos referiram que, dos 6 espaços expositivos, os que mais impactaram foram os dois primeiros Núcleos: “Gente como Nós” e “O Inicio do Pesadelo”, pelos seus conteúdos.

Oferta de equipamento informático

O Município de Almeida no seguimento do empréstimo de 57 computadores portáteis e 36 routers de banda larga possibilitando o acesso ao ensino à distância, situação que se verificou no final do ano letivo anterior, deliberou agora no sentido de oferecer 24 computadores portáteis ao Agrupamento de Escolas de Almeida, ficando ainda os restantes equipamentos à guarda deste Agrupamento para eventuais necessidades que se venham a verificar com a evolução da situação pandémica.

Hoje, 7 de setembro de 2020, iniciou o funcionamento do Espaço Cidadão de Vilar Formoso.

Com este novo espaço em parceria com a Junta de Freguesia de Vilar Formoso, o Município de Almeida pretende estar mais próximo do Munícipe, proporcionando um serviço mais cómodo, mais rápido e eficiente.

O funcionamento encontra-se condicionado devido ao cumprimento das regas de segurança e recomendações da DGS.

Horário de funcionamento: 2ª a 6ª – 09h-12h30 / 14h-16:30.

Consulte neste aqui, os serviços disponíveis no Espaço Cidadão;

Visite-nos em segurança! 🌈

Visitas guiadas convidam a descobrir a Estrela do Interior

As visitas guiadas, promovidas pela Área de Turismo da Câmara Municipal de Almeida é um serviço turístico cada vez mais procurado. Até ao presente mês de Novembro foi solicitado mais de uma centena de visitas guiadas personalizadas para visitar o centro histórico de Almeida.

Este serviço não só é procurado por visitantes portugueses, como também existe cada vez mais interesse por visitantes de Espanha, França e até de países sul-americanos.

Outra forma de conhecer o Património Histórico de Almeida é através de um peddy paper que é cada vez mais procurado, não só por entidades públicas como por grupos particulares.

As visitas guiadas e os peddy papers podem ser solicitadas à Área de Turismo, presencialmente, por telefone 271 570 020 ou através do email: turismo.almeida@cm-almeida.pt.

 

Parta à descoberta de Almeida e viva experiências únicas!

 

DOCUMENTO EM DESTAQUE

Continuando a dar destaque ao património documental arquivístico do Concelho de Almeida, partilhamos o livro de REGISTO DOS TESTAMENTOS mais antigo, de 1834 a 1843, informando que já foram identificados registos de testamentos até 1925, havendo, contudo, algumas omissões cronológicas. Estes livros contêm dados sobre a identificação dos testadores e respetivas residências, sobre o tipo de mortalha e local de sepultura escolhidos, bem como sobre o cumprimento dos legados pios, além das disposições legatárias, familiares e testamenteiros, com relação de bens deixados. Incluem ainda, no final, um índice onomástico dos testadores.

Este documento pode ser consultado na íntegra na Biblioteca Municipal Maria Natércia Ruivo.

Até agora, tínhamos partilhado apenas documentos pertencentes ao fundo da Câmara Municipal de Almeida, mas este pertence a um fundo diferente: ADMINISTRAÇÃO DO CONCELHO DE ALMEIDA, um órgão administrativo que hoje em dia já não existe, tendo sido inicialmente criado como provedor do concelho, mas rapidamente substituído pelo cargo de administrador do concelho.

No seguimento da reorganização administrativa em Portugal levada a cabo por Mouzinho da Silveira, com o Decreto de 16 de maio de 1832, o Reino de Portugal é dividido em províncias, comarcas e concelhos. À frente de cada província havia um prefeito: nas comarcas, um subprefeito; em cada concelho um provedor – todos nomeados pelo rei. Estava ainda prevista uma junta de cidadãos eleitos pelo povo: junto ao provedor, a câmara municipal do concelho; junto ao subprefeito, a junta de comarca; e junto ao prefeito, a junta geral da província.

Este decreto de Mouzinho da Silveira só entrou em vigor a partir de 1834 e logo foi acusado de exagerada centralização e de inconstitucionalidade, sendo rapidamente substituído pela Carta de lei de 25 de abril de 1835, que acabou por introduzir novas bases da administração geral e municipal: as províncias são extintas e substituídas por distritos, administrados por um magistrado de nomeação real, e por sua vez divididos em concelhos, cuja administração passa a ser feita pelo administrador do concelho, mantendo as mesmas funções e ganhando outras que ao longo dos anos lhe vão sendo atribuídas, enquadradas principalmente no âmbito das funções de polícia, inspeção e fiscalização, de “proteção civil” e de controlo de atividades económicas.

Ora eleito localmente, como aconteceu de início, ora nomeado pelo governo, o administrador do concelho dependia diretamente do governador civil do seu distrito, que supervisionava a sua ação. Após a extinção deste órgão administrativo, pelo Código Administrativo de 31 de dezembro de 1936, as funções do administrador do concelho passaram a ser desempenhadas pelo presidente da câmara municipal, compreendendo-se assim a razão de a documentação deste órgão ter integrado os respetivos arquivos municipais.

Por curiosidade, a organização administrativa do país é desenvolvida pelo Decreto de 18 de julho de 1835, ficando semelhante àquela que temos nos dias de hoje, uma vez que, além dos distritos e concelhos, são também criadas as freguesias.

 

Reportagens

“CERCO À PRAÇA FORTE PELAS TROPAS DE MASSENA” – XV CERCO DE ALMEIDA 2019

XV CERCO DE ALMEIDA

XIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ALMEIDA

 

 

TEMPERATURAS ALTAS NOS PRÓXIMOS DIAS

Tendo em atenção o aumento das temperaturas a partir desta quinta-feira e durante os próximos dias, a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) através do Departamento de Saúde Pública (DSP), ativou os respetivos planos de contingência para as temperaturas extremas adversas – módulo calor. Assim, para além das diversas medidas tomadas pelas várias instituições, chama-se a atenção para a necessidade da população adotar um conjunto de procedimentos que, mantendo o conforto térmico e uma correta hidratação, previnam os efeitos do calor na saúde.

Deve ser dada especial atenção às pessoas mais vulneráveis aos efeitos do calor, nomeada-mente às crianças, pessoas com mais de 75 anos, aos portadores de doenças crónicas e a todos os que desenvolvem atividade no exterior com consequente exposição forçada ao sol e ao calor.

Devem em permanência, nestes dias em que as temperaturas vão aumentar, ser seguidas as recomendações para proteção dos efeitos negativos do calor:

· Manutenção do corpo hidratado e fresco com ingestão de líquidos;

· Evitar a exposição solar, em especial entre as 11h00 e as 16h00;

· Utilização de protetor solar com fator superior a 30;

· Usar vestuário adequado – peças de roupa leves, de preferência de algodão, e de cor clara, dado que estas refletem o calor e a luz solar e ajudam o corpo a manter as

· temperaturas normais;

· Usar chapéu e óculos de sol;

· Fazer um consumo responsável de bebidas alcoólicas;

· Redobrar os cuidados em viagem: evitar a permanência em viaturas expostas ao sol, particularmente de crianças e de idosos, sobretudo nos períodos de maior calor. Se não tiver ar condicionado, não feche completamente as janelas. Leve água suficiente ou sumos de fruta natural, sem adição de açúcar, para a viagem. Sempre que possível viaje de noite.

· Reduzir as atividades ao ar livre, em especial as que exijam esforço físico intenso, tais como desportos, durante os períodos em que as temperaturas estão mais elevadas (entre as 11h00 e as 16 horas);

· Redobrar a atenção às crianças, idosos, doentes acamados e dependentes, oferecendo líquidos com frequência, como água e sumos naturais sem açúcar;

· Redobrar a segurança balnear, incluindo prevenção de afogamento, e não tomar banho ou consumir água, mesmo que para se refrescar, proveniente de fontanários ou lagos decorativos.

· Utilizar apenas água da rede pública ou água engarrafada;

· Seguir as recomendações do INFARMED sobre a utilização e conservação de medicamentos;

· Em caso de necessidade ligar para o SNS 24: 808 24 24 24

AGENDA RIBBSE – JUNHO

A  agenda da ‘Rede Intermunicipal de Bibliotecas das Beiras e Serra da Estrela – RIBBSE’ do mês de Junho já está disponível.

Sob o lema ‘em rede nunca lemos sós’, este projeto envolve as bibliotecas municipais, entre elas a de Almeida – BMMNR, e de instituições de ensino superior da região das Beiras e Serra da Estrela, que trabalham em rede e de forma colaborativa, sendo que através da agenda dão a conhecer as atividades a desenvolver nas respetivas bibliotecas e instituições.

 

AGENDA RIBBSE

Almeida marca presença na FIT

O Município de Almeida volta a marcar presença na FIT/2019, que decorre na Cidade da Guarda até domingo dia 05 de maio. Nesta 6ª edição, o município esteve representado, no dia da inauguração 02 de maio, pelo Sr. Presidente da Câmara e pelo Sr. Vice-presidente. O Consórcio Transfronteiriço das Cidades Amuralhas: Ciudad Rodrigo e Almeida contou com a vereadora do Pelouro do Turismo do Ajuntamento de Ciudad Rodrigo e ainda com a visita do Ministro Adjunto e Economia, José Siza Vieira, e do Secretario de Estado da Valorização do Interior, João Paulo Catarino.

 

Equipa feminina de Pólo Aquático do S.L. e Benfica

Almeida recebeu este fim de semana a equipa feminina de Pólo Aquático do S.L. e Benfica. Este estágio, nas Piscinas Municipais de Almeida, está integrado numa aposta de dinâmica desportiva que este Município está a implementar. A estadia inseriu-se na participação destas atletas na fase final da Taça de Portugal de Pólo Aquático que decorreu na Guarda, prova que viriam a vencer.

Os nossos parabéns!

 

Ensino do Holocausto – Curso de Formação

A Direção-Geral da Educação, em parceria com o Memorial de la Shoah, promoverá um Curso de Formação intitulado “Ensino do Holocausto: Ponto de partida para a Educação para a Cidadania e para os Direitos Humanos” (15 horas), nos dias 26 e 27 de abril de 2019, em Vilar Formoso – Pavilhão multiusos.

Neste curso de formação são abordadas as origens europeias do antissemitismo, propiciando o entendimento da dimensão do Holocausto, que levou à morte de vários milhões de vítimas num extermínio orquestrado e massificado. Procura-se, igualmente, aprofundar os momentos marcantes do Holocausto através da exaltação da memória fundamentada em documentação e investigação fidedigna, de modo a desconstruir, no presente, as várias formas de negação deste acontecimento histórico. Este curso tem ainda como objetivo a constituição de uma rede nacional de formadores na temática do Holocausto, conducente à replicação dos conteúdos abordados.

A formação nas áreas temáticas relacionadas com o ensino do Holocausto contribui para uma visão integrada do currículo, assumindo relevância nacional a abordagem transversal entre as Aprendizagens Essenciais da disciplina de História, os objetivos da Estratégia Nacional da Educação para a Cidadania com os Princípios, as Áreas de Competência e os Valores definidos no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.

Serão dois dias de intensa reflexão, designadamente no Polo museológico “Vilar Formoso – Fronteira da Paz, Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes”, no intuito de valorizar não só a memória dos milhares de refugiados que por esta fronteira entraram em Portugal, mas também a ação heroica de todos os que puseram em prática os valores de Humanidade em tempos de barbárie.

Para mais informações, é favor contatar o Polo museológico (271149459) ou a Área de Turismo da Câmara Municipal de Almeida (271570020)

PROGRAMA O ENSINO DO HOLOCAUSTO

 

IV Grande Prémio Internacional de Ciclismo Beiras e Serra da Estrela

Arranque da 1ª Etapa do IV Grande Prémio Internacional de Ciclismo Beiras e Serra da Estrela no Seu Concelho!

Saída da etapa em Vilar Formoso às 11:40h, e passagem pelo Centro Histórico de Almeida pelas 12:21h (aproximadamente). Atenção aos constrangimentos causados pelo corte das vias afetas ao percurso da prova.

MAIS UM SUCESSO MARCOU O MERCADO À MODA ANTIGA

O Mercado à Moda Antiga é um projeto cultural que nasceu em 2009 por iniciativa da Câmara Municipal.

Durante 4 dias (02,03, 05 e 10 de março) centenas de pessoas visitaram o centro histórico da Vila e contactaram com o Mercado à Moda Antiga.

Este singular mercado contou com a presença de vários expositores que ao longo dos dias mostraram os seus produtos.

Destaque para o dia 05 de fevereiro (terça-feira de carnaval) onde o recinto do evento foi animado pelo grupo de concertinas de Fornos de Algodres.

Formação – Seja um herói… …salve Vidas!

Teve inicio no dia 22 de maio, em Vilar Formoso a formação “Primeiros
Socorros – Tipos de acidentes e formas de atuação”. A iniciativa
promovida pela Câmara Municipal de Almeida tendo como entidade formadora
o Instituto de Emprego e Formação Profissional.
O Vereador da Câmara Municipal, Dr. Alcino Morgado, presente no inicio
da formação congratulou-se com a realização da mesma ao referir que esta
“é uma formação bastante pertinente uma vez que se trata de podermos
fazer a diferença, com repercussões extensíveis aos nossos Munícipes.
Assim consigo perceber bem a importância do Vosso papel no futuro, pois
para além de termos os Bombeiros Voluntários de Almeida e a Cruz
Vermelha de Vilar Formoso reconheço-Vos, também como possíveis “heróis”
em momentos de desgraça! Mais do que detentores de formação certificada
podeis ser mais um valioso contributo para salvar vidas! Obrigado!”
Também o número de candidatos inscritos expressou a relevância do tema,
cujos conteúdos/conhecimentos são reconhecidamente necessários, seja na
vida pessoal ou profissional. Assim, contamos em breve iniciar a mesma
formação, em Almeida e provavelmente um segundo grupo de formação em
Vilar Formoso a partir do próximo mês de setembro.