Freguesia de Castelo Mendo

População: 87 habitantes

Dista da Sede de Concelho: 20 km

Área: 21,72 km²

Orago: São Pedro

Freguesia situada na margem esquerda do rio Côa, a cerca de 20 km da sede do concelho, é constituída pelas povoações de Castelo Mendo e Paraizal, lugar onde existe um belo e muito antigo relógio de sol.

A história de Castelo Mendo é riquíssima, tendo sido cabeça de um concelho de grande importância, que dominava uma vasta área. O poder de outrora está ainda hoje bem representado na actual povoação. Toda ela é uma fortaleza, ou melhor diríamos, um museu.

Castelo Mendo situa-se num morro, a cerca de oitocentos metros de altitude.

Nesta paisagem de grande beleza, instalaram-se desde cedo os primeiros habitantes. Aí deverá ter existido, antes da chegada dos romanos, um castro lusitano, importante sob o ponto de vista estratégico e por isso aproveitado por aquele povo. Restos de antigos troços de estrada, ultimamente encontrados na povoação, bem como alguma cerâmica e diversas moedas, provam a remota existência neste local de um centro político e administrativo relativamente importante.

A localização geográfica de Castelo Mendo, se actualmente constituiu um travão ao seu desenvolvimento, funcionou em diferentes momentos como força motriz fundamental para o progresso. Assim aconteceu com a Reconquista Cristã. Castelo Mendo, situado num morro, garantia a defesa das terras da margem esquerda do rio Côa. Daí à construção do castelo, foi apenas um pequeno passo, decidido por D. Sancho II em meados do sé. XIII. Este monarca, em 15 de Março de 1229, deu foral a Castelo Mendo.

Pelo mesmo foral, é criada uma feira franca em Castelo Mendo, que se realizaria três vezes por ano. Na Páscoa, na festa de S. João e na de S. Miguel. Cada uma iria durar oito dias e os seus participantes beneficiariam da protecção real durante a sua realização, fossem “credores ou homicidas”. Segundo Virgínia Rau, foi a primeira vez que na documentação oficial surgiram referências a feiras, já que anteriormente eram comuns alusões a mercados locais. A de Castelo Mendo terá sido a pioneira no que diz respeito às feiras medievais portuguesas.

Com D. Dinis, Castelo Mendo tornou-se um ponto ainda mais importante na estratégia defensiva do reino. Depois do reinado de D. Dinis as muralhas de Castelo Mendo passaram a constituir um ponto de defesa muito eficaz paras as lutas com Castela. Ao mesmo tempo, foram concedidos novos privilégios à povoação e ampliados os benefícios apresentados no primeiro foral. O mesmo voltou a acontecer com D. Manuel, em 1 de Junho de 1510.

Feiras
– Feira Medieval (15 Março)

Gastronomia
– Enchidos
– Bucho
– Pão Leve
– Bola Parda

Anexas
– Paraizal

Atividades Económicas

- Agricultura
- Pecuária

Festividades

- Nossa Senhora de Fátima (13 de Maio ou domingo mais próximo)
- Santo António (Agosto)

Colectividades

Associação de Desenvolvimento de Castelo Mendo
Localização: Sede da Junta de Freguesia, 6355-051 Castelo Mendo

Associação Desportiva, Recreativa e Cultural do Paraizal
Localização: Rua do Piadeiro, 6355-052 Castelo Mendo

Património

Património Classificado:
- Castelo de “Castelo Mendo” (Decreto Lei N.º 35/443 de 21-01-1946) – Românico e Gótico / séc. XIII / XIV (Conjectural)
- Aldeia de Castelo Mendo (Decreto N.º 29/84 de 25 de Junho) - Medieval
- Pelourinho de Castelo Mendo (Decreto N.º 23/122 de 11-10-1933) – Estilo Manuelino / séc. XVI

Património Edificado:
- Chafariz D’El Rey – Periurbano / séc. XIV / XIX (Conjectural)
- Fonte Nova – Periurbano / Fonte de Mergulho Gótica / séc. XIV (Conjectural)
- Fonte Velha – Periurbano / Fonte de Mergulho Românica / séc. XIII (Conjectural)
- Fonte Estrufa – Fonte de Mergulho / séc. XIII (Conjectural)
- Antiga Casa da Câmara e Cadeia – Intramuros / séc. XVII (Conjectural)
- Casa Quinhentista da Rua Direita – Intramuros / séc. XVI
- Casa de Alpendre Quinhentista da Rua Direita – Intramuros / séc XVI
- Casa Manuelina da Rua Direita – Intramuros / séc. XVI
- Casa Manuelina da Rua do Castelo – Intramuros / séc. XVI
- Casas Manuelinas da Rua do Forno – Intramuros / séc. XVI
- Casa de Balcão Alpendrado da Rua do Palheiro – Intramuros / séc. XVII (Conjectural)
- Casa de Varanda Alpendrada do Largo do Pelourinho – Intramuros / séc. XVI / XVII (Conjectural)
- Casa do Fidalgo da Rua Direita – Intramuros / séc. XIX (Conjectural)
- Casa Filipina da Rua da Praça – Intramuros / séc. XVI (1596)
- Casa Filipina do Largo de S. Vicente – Intramuros / séc. XVI (1595)
- Casa Manuelina do Largo de S. Vicente – Intramuros / séc. XVI

Património Religioso:
- Ruínas da Igreja de St.ª Maria do Castelo – Intramuros / Românico e Mudéjar / séc. XIII / séc. XVI (Conjectural)
- Igreja de S. Pedro – Intramuros / séc. XIX (Conjectural)
- Igreja de S. Vicente – Intramuros / séc. XIII / XVI / XVII (Conjectural)
- Capela do Cemitério – Periurbano / séc. XVI
- Calvário – Periurbano / séc. XIX (Conjectural)
- Cruzeiro – Periurbano / séc. XVII / XVIII (Conjectural)
- Alminha Devocional – Periurbano / XVIII / XIX (Conjectural)
- Cruzeiros junto ao Alpendre – Periurbano / séc. XIX

Património Arqueológico e Etnográfico:
- Alpendre de Feira – Periurbano / séc. XIII / XIV (Conjectural)
- Pombal junto ao cemitério – Periurbano / séc. XIX (Conjectural)
- Pombal junto à Porta da Vila – Periurbano / séc. XIX (Conjectural)
- Forno Comunitário – Intramuros / séc. XVIII / XIX (Conjectural)
- Calçada da Ribeira dos Cadelos – Periurbano – Romano e Medieval
- Povoado da Idade do Bronze Romanizado (Castro) – Intramuros (séc. XI-X a.c até ao séc. I a.c)
- Berrões ou Verracos – Intramuros – Idade do ferro (séc. IV / I a.c) até à Romanização
- Relógio de Sol no Paraizal – Urbano - / séc. XIX (1869)

Património Natural e Lazer:
- Paisagem sobre a Ribeira dos Cadelos até ao Rio Côa (Porto de S. Miguel)

Brasão

Escudo de prata, castelo de negro, lavrado, aberto e iluminado do campo, assente em monte pedregoso de verde; em chefe, uma berroa de azul. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro: «CASTELO MENDO».